Conversa com Bial censura boné com estrela vermelha do quadrinista Gabriel Bá

Conversa com Bial censura boné com estrela vermelha do quadrinista Gabriel Bá

No Conversa com Bial, o quadrinista Gabriel Bá escolheu um boné com uma estrela vermelha para participar da atração, por ser sua marca registrada, mas ele acabou sendo proibido de entrar no ar daquela forma.

Ele disse que gostaria de entrar com o boné, e a produção do programa sugeriu que a estrela fosse coberta com uma estrela preta, na entrevista que foi ao ar na madrugada desta segunda-feira (27). Aparentemente, a estrela foi tirada para não remeter ao logo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Bá forma uma dupla de sucesso internacional com seu irmão gêmeo, Fábio Moon, e os dois já tiveram seus trabalhos publicados na Europa. Eles foram os primeiros brasileiros a ganharem o Eisner, principal premiação dos quadrinhos, nos EUA. O rapaz não esperava o constrangimento.

Diante disso, ele resolveu fazer um desabafo em suas redes sociais, relatando o caso, após a entrevista ir ao ar. “Chegando no estúdio, o pessoal do figurino, respondendo à diretoria do programa, disse que a estrela não ia rolar. Claro que não fiquei contente”, declarou ele.

No entanto, ele teve que escolher entre entrar com a estrela coberta ou entrar sem boné. “Escolhi o boné. E escolheria novamente. Poderia ser um tucaninho azul e amarelo ou um número 45, o logo da Adidas ou o escudo do Palmeiras. Seria coberto da mesma maneira”, explica.

“Prefiro ver agora esse debate todo e o povo refletindo do que simplesmente ter entrado sem boné”, completou o rapaz na publicação. Confira o post:

“Evite números para que não haja associação a marcas ou partidos políticos”. Essa foi uma das dicas de vestuário da produção do programa. Mesmo assim, fui com meu boné verde com estrela vermelha, que trouxe do Vietnam. Tenho outros, mas gosto deste, do que ele representa. Foi minha escolha. Chegando no estúdio, o pessoal do figurino, respondendo à diretoria do programa, disse que a estrela não ia rolar. Claro que não fiquei contente, mas eu fiz uma escolha antes: a de ir com o boné. Entre entrar com a estrela coberta ou entrar sem boné, escolhi o boné. E escolheria novamente. Poderia ser um tucaninho azul e amarelo ou um número 45, o logo da Adidas ou o escudo do Palmeiras. Seria coberto da mesma maneira. Prefiro ver agora esse debate todo e o povo refletindo do que simplesmente ter entrado sem boné.

Uma publicação compartilhada por Gabriel Bá (@gabriel_ba) em

Veja aqui o vídeo da entrevista aqui

Deixar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *